João Caetano
em
Aug 10, 2021
São Paulo no futuro

Chegamos ao último artigo da série Revisitando Previsões, até aqui passamos pelo pelo Despertar das cidades dormitório, começando com A Nova Classe Criativa.

Por trás desses três artigos estão suas versões originais, publicadas em meados de 2020. Reações em cadeia a partir da crise podem afetar diretamente a economia dos bairros, Usando a Villa XP para falar de cidades e O Futuro da Faria Lima.

A capa da Vejinha SP com um patinete abandonado assustou muita gente. Imaginar os maiores defensores dos coletes deixando a Faria Lima foi um baque. A perspectiva era de um esvaziamento do principal centro empresarial, o que jogava toda a cidade sob a sombra da decadência, a época com quase metade dos imóveis comerciais vagos.

Chique por último

A Faria Lima não teria o mesmo destino de outros bairros comerciais e logo novos inquilinos buscaram esse poderoso endereço. Como o exemplo da Blue3, afiliada da XP que começou em Ribeirão Preto e agora ocupa um imponente escritório na capital. Isso sem deixar de reforçar sua pegada no interior, inaugurando também unidade para atendimento digital em Franca. A relação da capital com o interior é cada vez mais comercial, expandindo seus negócios para regiões agrícolas, industriais e turísticas. Dando moldes à mega-região de São Paulo. Da mesma maneira, podemos prever que atividades de lazer passem a ganhar força na nova metrópole que começa a tomar forma.

Rodízio de pessoas

A cada dia útil 20% dos carros não podem circular nos horários de pico. Medida voltada para aliviar um pouco a intensidade dos deslocamentos, permitindo aos demais uma fluidez menos pior. Atualmente a vacância dos imóveis está acima de que 20%, apontando para um esvaziamento da cidade, deixando-a melhor para quem fica.  

Segundo especialistas, está se abrindo um ciclo de renovação do espaço urbano, uma vez que espaços antes voltados ao trabalho e à produção estão agora disponíveis para novos usos. Se estiverem certos podemos esperar por novos espaços públicos, culturais e interativos, cheios de vida. Esse movimento já vem tomando forma com novos usos sendo dados a diversos imóveis antigos do centro, Lions Club, Red Bull Station, Balsa, Tokyo, Bar dos Arcos, Bar do Cofre, Esther Rooftop, Drosphyla, Casa de Francisca, até o emblemático Terraço Itália.

Não apenas teremos mais parques, como o mercado imobiliário saberá aproveitar bem o novo propósito da cidade. Se antes as incorporadoras eram super conservadoras, lançando os mesmos produtos, hoje empresas como Vitacon e Tecnisa apostam em novos formatos de todo tipo.

Conclusões

A pandemia revelou a força da nova Classe Criativa, que preservou seus empregos, aumentou seu poder de consumo e ainda pôde se movimentar para lugares mais aprazíveis que as grandes cidades. A chegada desse grupo movimentou cidades do interior e do litoral, acostumadas com fluxos de temporada ou finais de semana, passaram a ser residência permanente de profissionais que trabalham de forma remota. Mais demanda nos setores de serviços, comércio e imobiliário desses lugares. De outro lado, as cidades grandes viveram um período de dúvidas sobre sua viabilidade, com bairros importantes sendo esvaziados, desemprego em setores fortes como comércio e serviços e um crescente número de imóveis vagos.

Ainda que as Classes Criativas tenham chamado a atenção em seu movimento para o interior, sua natureza é essencialmente urbana, voltada para pluralidade que só as grandes cidades podem proporcionar.

Mais ócio por favor

Multidão De Pessoas Na Rua

No interior as pessoas matam o tempo, nas cidades o tempo mata as pessoas.

As pessoas das cidades querem seu tempo de volta. A cidade na era da informação tem mais tempo livre para superar a ética protestante de dedicação total ao trabalho,  do time is money, clamando por uma revolução criativa. O ativismo local que oficializou o Parque Augusta, a exemplo do Highline em NY, será cada vez mais forte, demandando espaços de lazer convívio na cidade. Mais expectativa de vida, menos trânsito, mais tempo para se viver o que se é.

Uau, foi uma viagem no tempo futuro pensar tantos aspectos da vida moderna, obrigado por chegar até aqui.